17 de fevereiro de 2016

Baixa reserva das albufeiras obriga Águas do Algarve a medidas extraordinárias




As barragens que fornecem água ao Algarve estão quase a metade da sua capacidade de armazenamento, o que levou a empresa responsável pelo abastecimento multimunicipal de água na região, a adotar medidas extraordinárias, informou a Águas do Algarve.
"As nossas albufeiras estão com caudais bastante reduzidos", quando comparados com o ano anterior, disse hoje à Lusa a porta-voz da Águas do Algarve, Teresa Fernandes, apontando que existem motivos de preocupação, dada a fraca pluviosidade deste ano na região.
Com o objetivo de poupar as albufeiras algarvias de Odelouca, Bravura, Odeleite e Beliche, a Águas do Algarve já começou a fazer captações subterrâneas e colocou Odelouca a abastecer o sotavento, zona do distrito de Faro, onde os níveis de seca são mais acentuados.
"Em termos de abastecimento de água, a população pode ficar totalmente descansada", explicou Teresa Fernandes.
Aquela empresa efetua anualmente um abastecimento médio na ordem dos 70 milhões de metros cúbicos de água aos 16 municípios do distrito de Faro.
O ano hidrológico de 2014-2015, seco, obrigou as barragens a começarem o período de 2015-2016 já com disponibilidade baixa de água, que não foi reposta para níveis confortáveis de armazenamento.
Os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) de janeiro deste ano indicam que a zona do sotavento algarvio está em situação de seca moderada, enquanto o restante território algarvio está em situação de seca fraca.
Em 2004 e 2005, o distrito de Faro também esteve numa situação de seca, que levou aquela empresa a adotar medidas excecionais de gestão da água e apelos à população com vista à contenção e uso eficiente de água.
Segundo a porta-voz da Águas do Algarve, a situação atual não é tão gravosa porque, entretanto, foi construída a barragem de Odelouca, uma "excelente fonte de abastecimento de água que nos permite uma situação de controlo e disponibilidade hídrica que não havia nessa altura".

Diário Digital com Lusa