16 de setembro de 2016

Central nuclear espanhola de Almaraz usa peças com falhas de qualidade

Irregularidades foram encontradas em Abril.

Resultado de imagem para nuclear child

O Conselho de Segurança Nuclear espanhol revelou que a central de Almaraz, colada à fronteira portuguesa, usa peças produzidas numa fábrica com irregularidades nos dossiers de controlo de qualidade, mas garantiu que não constituem motivo para as retirar de funcionamento.

Além da central de Almaraz (Cáceres, a 100 quilómetros de Portugal), também a central de Ascó (Tarragona, Catalunha) utiliza nos seus reactores peças produzidas numa forja da fábrica francesa Le Creussot, fornecedora da AREVA. As irregularidades foram detectadas, em Abril, nos dossiers de fabricação da forja usada para produzir os componentes mais tarde usados nos reactores destas duas centrais.

Na prática estas irregularidades consistem "em discrepâncias, modificações ou omissões nos parâmetros de fabricação ou nos resultados dos ensaios obtidos, e que não estavam reflectidas nos 'dossiers' de fabricação dessas peças", indicou o CSN num comunicado divulgado quinta-feira.

Em concreto, as pecas provenientes da forja com irregularidades foram usadas para fabricar os geradores de vapor 2 e 3 da unidade 1 e o gerador de vapor 3 da unidade 2 da central nuclear de Almaraz, bem como os geradores de vapor 1 e 2 da unidade 1 e o gerador de vapor 1 da unidade 2 da central nuclear de Ascó. Também está em causa o rebordo da tampa do reactor da unidade 2 de Almaraz.

Estas peças têm uma composição química (em percentagem dos metais que as compõem) diferente dos vários registos realizados durante o processo de forja.

"Encontraram-se dados diferentes sobre o conteúdo, em percentagem, de elementos como o alumínio e o manganês, nem sempre dentro do intervalo definido na especificação de compra. Ainda assim, os valores registados em todos os casos estavam dentro dos limites especificados no código usado na fabricação (código ASME)", indicou o CSN.

De acordo com a investigação da CSN, tanto a empresa espanhola Equipos Nucleares - que adquiriu os componentes à forja com irregularidades - como a AREVA - que forneceu os geradores de vapor - como a Westinghouse - que forneceu a tampa do reator nuclear de Almaraz - concluíram (através de testes de metalografia) que estas irregularidades no programa de controlo de qualidade "não têm impacto na integridade estrutural dos componentes mencionados".

Assim, e "face à informação existente até à data", a Direção Técnica de Segurança Nuclear "conclui que os componentes afectados são aceitáveis para que continuem a funcionar sem restrições".

Já a organização ecologista Greenpeace considera que o comunicado do CSN "confirma que as centrais de Almaraz e Ascó operam com peças de qualidade defeituosa", pelo que "manifesta a sua falta de confiança na Direção Geral de Segurança Nuclear" espanhola.

A Greenpeace reitera ainda o apelo para que as autoridades políticas de Espanha não "prolonguem a vida das centrais nucleares" e reforça que se devem manter os mais "apertados controlos de segurança".

Resultado de imagem para nuclear child chernobyl

Sounds from web

O ano de 2016 está a caminho de tornar-se no mais quente da história


A Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicou hoje que 2016 está a caminho de se converter no ano mais quente de que há registos históricos e este pode ser o padrão de uma nova realidade.

«Fomos testemunhas de um período prolongado de calor extraordinário e tudo indica que se isto se converterá na nova norma», afirmou Petteri Taalas, secretário-geral da OMM, citado pela agência EFE.

O ano está a ser marcado pelo registo de níveis de concentração de dióxido de carbono extremamente altos e pela quebra sucessiva de recordes de temperatura, assinalou ainda o finlandês que dirige a agência das Nações Unidas para o clima.

Diário Digital / Lusa

Canarios de Antonio Orta Mateo

canários timbrado Espanhol - dueto - duet

13 de setembro de 2016

Guia Antonio Zambujo - S. Luis- Luis Guerreiro - Guitarra Portuguesa

Sociedad Lucense de Canaricultura

Massar Mouloua EPISODE 4 Adil Abdelkader

Sounds from web

Whistling Tom - Under Paris Skies

Canário Timbrado Español Classico



Timbrado-Espanol-Classico-Hahn. Ringnummer: 210624-15-070. Gesangsleistung 89 Punkte. Züchter und Eigentümer Holger Kok. www: timbrado-espanol-online.de

Canário Timbrado Espanhol

Canarios Timbrado Español

4ος Διαγωνισμός ΕΛΙΤ - Timbrado Español 2016 - Concurso V ELIT Atenas Grecia

Em Carnide


9 de setembro de 2016

Em Penamacor

Geopark Naturtejo

WOODMOOD|OMA



Dois conceitos distintos que concorrem num princípio comum: criar objetos únicos a partir de madeira upcycle. A woodmood explora as madeiras mais gastas pelos elementos e desvalorizadas pelo ciclo do consumo e cria com elas peças com uma função e alma nova. A oma descobriu as inúmeras formas que a madeira, também em fim de linha, pode tomar, cruzando-a com uma inspirada fabricação digital e dando-lhes, também, uma nova alma.
Porque quando se pensa que as coisas acabam, é apenas um novo princípio.

4 de setembro de 2016

Esfahan Khaju brigde



Loudspeakers


Loudspeakers were invented in the early 1900s, and they were introduced in mosques in the 1930s, where they are used for the adhan("call to prayer"),[1] and sometimes for khutbah (sermons).
Outdoor loudspeakers, usually mounted on tall minarets, are used five times a day for the call to prayer, sometimes starting as early as 4 a.m. Some mosques have loudspeakers that are powerful enough to be heard as far as 5 km (3 mi) away.In areas where more than one mosque is present, the loudspeaker sounds overlap one another, especially in the early morning when sounds are more clearly heard. Loudspeakers are sometimes also used inside mosques to deliver sermons or for prayer.
Indonesia, the world's most populous Muslim nation, has recognized that the overzealous use of sound amplification by its many mosques is an environmental issue and appears to be taking official measures to curb the problem.
In India, some anti-noise pollution activists have called for restricting the use of loudspeakers, arguing that religion is not a ground to violate noise rules. In 1999, in debating a proposed blanket ban on loudspeakers atop mosques, some political leaders in India alleged that loudspeakers had been used to create communal tension, and that they had been used to incite a riot in Nandurbar, Maharashtra state, on November 10, 1999.

Muezzin



A muezzin (/muːˈɛzɪn/; Turkish: müezzin from Arabic: مؤذن‎‎, muʾaḏḏin IPA: [muʔaðːɪn]), is the person appointed at a mosque to lead, and recite, the call to prayer for every event of prayer and worship in the mosque. The muezzin's post is an important one, and the community depends on him for an accurate prayer schedule.

The professional muezzin is chosen for his good character, voice and skills to serve at the mosque. However, the muezzin is not considered a cleric, but in a position comparable to a Christian verger. When calling to prayer, the muezzin faces the qiblah, the direction of the Ka'bah in Mecca, while reciting the adhan.

Sounds from web

MASSAR MOULOUA EPISODE 3 Assrari Jawad

"Medley" (Instrumentais) - Marta Pereira da Costa

Acordeonistas Portugueses - Dina Rito

Acordeonistas Portugueses - Sónia Santos

Acordeonistas Portugueses - Ricardo Guerreiro

30 de agosto de 2016

Fukushima's surfers riding on radioactive waves


Fukushima, Japan - On 11 March 2011, at 2:46 pm, Japan was hit by a magnitude 9.0 earthquake which generated a tsunami along the coast. The casualties of the disaster included 18,500 dead, 90 percent of whom drowned in the tsunami wave. The bodies of 2,561 people were never recovered.
The tsunami hit the Daaichi nuclear power plant as well, a level-7 catastrophe that was the equivalent of the Chernobyl nuclear power plant meltdown disaster.
Over the course of five years, nearly 50,000 people have worked to decontaminate the plant and stop leaks according to government press releases. They remove between 5 and 30 cm of contaminated soil every day and place them in plastic bags, which are stored on the outskirts of town, pending a better solution.
In Tairatoyoma beach, a prefecture of Fukushima and some 50km from the nuclear plant, was among the most popular areas for Japanese surfers prior to the nuclear accident.
Surprisingly, despite the presence of radiation in the sand and water, some dedicated surfers continue to come here to catch some waves. They are aware of the risks, and the hundreds of bags of contaminated sand piled up on the beach serve as a constant reminder of the health risks to them. 
"I put on sunscreen against the sun, but I haven't found anything against radiation," said one surfer. "We will only know the true consequences of our time in the water 20 years from now."


29 de agosto de 2016

International Journal of Stem Cell Research & Therapy




Learning (Singing): As shown in adult canaries, a learning behavior model, they modify their songs every year and continue to learn new songs in adulthood. Song syllables are delivered in a very stereotyped manner during the breeding season, and become less frequent and stereotypy after the breeding season ends. In the observations of song change results, the most dramatic change that occurs in the song circuits of adult canaries is neurogenesis and neuronal replacement in the HVC of brain region, an important nucleus in the brain that controls this learning behavior of canaries. 

Adult neurogenesis is thought to provide neural plasticity used in forming and storing new memories. New neurons continue to be added to the HVC of adult canaries, where they replace older neurons that have died . 

Therefore, the neurogenesis of adult canaries is responsible for the seasonal plasticity of learning behavior. The activating mechanisms of neuronal replacement in songbirds may contribute to the understanding of the repair of human brain damages and neuronal degeneration diseases.

Neural Stem Cells and their Niches in NeuroregenerationJong-Hang Chen1, Mei-Shu Chen1, Su-Liang Chen1 and Ing-Ming Chiu

28 de agosto de 2016

Cem mil árvores para nos plantar uma ideia na cabeça


Se mora na Área Metropolitana do Porto é possível que nalgum passeio por uma zona verde das redondezas se tenha deparado com um pilarete em madeira com a seguinte inscrição: “Estamos a criar uma floresta nativa com a ajuda de muitos cidadãos voluntários. Preserve-a”. O alerta resume o que têm sido os últimos cinco anos da bióloga Marta Pinto e da pequena equipa que mobilizou centenas de pessoas e organismos vários em torno de Futuro: o Projecto das 100 Mil Árvores, que tem andado a plantar uma ideia na cabeça de milhares de cidadãos.

É assim todos os Verões, na época dos fogos. Nas últimas semanas, muito se tem falado da importância das espécies nativas para o ordenamento florestal português e para a resistência da floresta contra os incêndios. Mas, há cinco anos, as instituições reunidas na rede informal do Centro Regional de Excelência - Educação para o Desenvolvimento Sustentável (CRE-Porto), fundado pela Católica, a Direcção Regional de Educação e a Área Metropolitana decidiram que era preciso acordar a população para a importância de árvores cujos nomes deixamos de conhecer ou nunca nos foram sequer ensinados.

Quando a voz se cala, também a guitarra portuguesa canta



Ligada umbilicalmente ao fado, a guitarra portuguesa pouco tem ousado para afirmar a sua autonomia. No entanto, surgem sinais de que há vida para além do acompanhamento. A família Parreira, José Manuel Neto, Marta Pereira da Costa, Miguel Amaral e Luís Varatojo são disso exemplo.


Continua a tocar em casas de fados e a acompanhar em concerto algumas das vozes maiores do fado, mas hoje António Parreira dedica-se sobretudo a passar o seu conhecimento e o legado maior da guitarra portuguesa aos 22 alunos – a quem ensina a domar o instrumento que Carlos Paredes milagrosamente fundiu com a ideia musical do ser português. Talvez porque António Parreira, um dos grandes mestres da guitarra, não teve a vida facilitada por uma escola oficial como a do Museu do Fado, onde lecciona.
Nascido no Monte das Taipas, Santa Margarida da Serra (concelho de Grândola), em 1944, começou a admirar a guitarra portuguesa que o tio mantinha guardada numa arca, tirada do sossego apenas para “tocar o Fado Corrido no quinto ponto”. Era uma admiração que o tio pretendia que se fizesse à distância. António, com sete, oito anos, estava proibido de tocar. Nada mais tentador: sempre que o tio saía de casa e ia cuidar da sua vida, o miúdo esgueirava-se até lá, roubava a guitarra à arca e reproduzia as posições dos dedos que decorara ao pormenor.

QUALIDADE DO AR – ZERO ALERTA PARA FALHAS GRAVES NA INFORMAÇÃO AO PÚBLICO - 8 AGOSTO, 2016


Elevadas concentrações de partículas, efeitos dos incêndios e do intenso calor, ultrapassagem do limiar de informação de ozono, partículas do Saara a afetarem os Açores.
A associação ambientalista ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável alerta para o facto de não estar a ser sistematicamente disponibilizada ao público informação sobre os elevados níveis de poluição do ar que se estão a verificar, hoje, segunda-feira, e nos últimos dias.
Consultando o site nacional oficial da Agência Portuguesa do Ambiente (qualar.apambiente.pt), que disponibiliza informação sobre a qualidade do ar, verifica-se que:
  • a região Centro não tem disponível qualquer informação dos níveis de poluentes observados;
  • a estação de monitorização em Leça do Balio em Matosinhos registou, há poucas horas atrás (das 12h às 13h), uma ultrapassagem ao denominado limiar de informação de ozono sem que se tenha verificado qualquer aviso à população;
  • talvez por influência dos incêndios em regiões próximas, um conjunto de estações de monitorização nos concelhos de Matosinhos e Valongo estão a registar valores elevados de partículas algumas delas com picos horários muito significativos;
  • a cidade de Gaia apresenta informação disponível e a cidade do Porto tem informação muito limitada, nomeadamente sem indicação dos níveis de partículas inaláveis;
  • várias zonas do Norte têm grandes falhas na informação providenciada;
  • a zona a Sul de Lisboa está com qualidade do ar fraca, com elevados níveis de partículas;
  • os Açores estão de acordo com o IPMA sob influência de uma massa de ar com elevadas concentrações de partículas, mas a única estação no arquipélago não tem qualquer informação de medições disponível.
A ZERO apela à Agência Portuguesa do Ambiente e às Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (responsáveis pela gestão das redes de monitorização de qualidade do ar) para que, em particular neste período crítico de verão, não descurem informação que tem de ser, de acordo com a legislação nacional e europeia, obrigatória e atempadamente disponibilizada à população a bem da salvaguarda da saúde pública.

A EPAL afirmou hoje que as ETAR de Alcântara e da Guia, na região de Lisboa, cumprem as regras ambientais de descarga, reagindo a uma avaliação da Zero que as coloca entre as 10 mais poluidoras da água

EPAL assegura que ETAR de Alcântara e da Guia cumprem regras ambientais de descarga

"As ETAR referidas [de Alcântara, em Lisboa, e da Guia, na costa do Estoril] cumprem os parâmetros estabelecidos por lei, definidos na respetiva licença de descarga", salienta uma informação da Empresa Pública de Águas Livres - EPAL, empresa que opera aquelas unidades.
Os resultados das análises realizadas periodicamente, salienta a EPAL, "estão abaixo dos limites estabelecidos por lei".
A Associação Sistema Terrestre Sustentável - Zero analisou dados reunidos pela Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês) para as instalações em Portugal e fez dois 'rankings' com 10 posições - um para a poluição do ar e outro para a poluição da água, divulgados na sexta-feira.
Resultado de imagem para air pollution images
Na avaliação correspondente aos recursos hídricos avaliou informação de 56 instalações e 27 poluentes e concluiu que a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Matosinhos é a instalação mais poluente em Portugal, enquanto a unidade de Alcântara ocupa o segundo lugar e a SANEST - Saneamento da Costa do Estoril, em Cascais, está na quarta posição.
A EPAL refere que a informação foi divulgada "forma descontextualizada" e defende que "todas as ETAR que, como as referidas, cumprem a respectiva licença de descarga, são unidades de despoluição".
Por isso, continua a empresa, "é incorrecto tratar estas importantes infraestruturas, essenciais à qualidade do ambiente e à saúde pública, como unidades poluidoras sendo, isso sim, unidades de despoluição essenciais à qualidade de vida das populações".
Resultado de imagem para water pollution images etar
A empresa, que também gere o abastecimento de água em Lisboa, aponta que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) "acompanha de forma permanente o excelente desempenho das instalações" e tanto a ETAR de Alcântara, como a da Guia, "estão equipadas com as melhores e mais eficientes tecnologias".
Aliás, salienta, parte da água residual tratada naquelas instalações é reutilizada, quer interna quer externamente, "o que evidencia o seu elevado grau de qualidade".

Estratégia nacional para a qualidade do ar estima redução substancial das emissões em 2015 e 2020


Resultado de imagem para without air


















A Estratégia Nacional para a Qualidade do Ar estima uma «redução substancial nas emissões», em 2015 e 2020, na comparação com 2005, embora para dois poluentes seja recomendada mais atenção, por estarem mais próximos dos limites.

"Relativamente a 2015 e 2020, os resultados das projeções apresentam uma redução substancial nas emissões, quando comparadas com o valor registado em 2005, estando em linha com os objetivos dos tetos de emissão para 2020", refere o documento.

No entanto, para o amoníaco (NH3) e para as partículas finas (PM2,5) perspetiva-se "uma grande proximidade com os valores do Protocolo de Gotemburgo, o que recomenda uma particular atenção".

Quanto às concentrações de poluentes atmosféricos, salienta que a redução de emissões prevista para 2020 irá levar a uma melhoria da qualidade do ar "para a maioria dos poluentes, comparativamente a 2012, mas perspetiva-se a continuação de situações de incumprimento legal para o NO2 [dióxido de azoto] e para o O3 [ozono]".

O problema do NO2 é atualmente sentido nas áreas urbanas de Lisboa e Porto, em locais de mais tráfego rodoviário, mas "a tendência é de melhoria", segundo o documento.

Quanto ao O3, há mais problemas em locais urbanos e rurais e "as concentrações não têm decrescido ao longo do tempo", por isso, para 2020, "é expectável cumprimento improvável nas regiões norte e centro e no resto do território provável e incerto".

A Estratégia (ENAR 2020) foi hoje publicada em Diário da República e visa contribuir para "melhorar a qualidade do ar, para a proteção da saúde humana, qualidade de vida dos cidadãos e preservação dos ecossistemas".

Com as medidas e ações apontadas, o Governo pretende o "cumprimento integral dos objetivos legais em vigor até 2020", e que, em 2030, Portugal se posicione mais próximo das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) ao evitar a poluição do ar, uma das causas de várias doenças.

As emissões de muitos dos poluentes atmosféricos "diminuíram substancialmente nas últimas décadas, verificando-se uma importante melhoria global da qualidade do ar no país, não obstante persistirem problemas de qualidade do ar, em particular nas zonas urbanas densamente povoadas", resume a ENAR.

Além de medidas de âmbito nacional, a estratégia é uma referência para planos de melhoria da qualidade do ar, da responsabilidade das Comissões de Coordenação de Desenvolvimento Regional (CCDR), permitindo a integração de ações de âmbito local, regional e nacional.

No entanto, não deixa de ser reconhecido que a maior parte dos problemas de poluição atmosférica registam-se em áreas urbanas, por isso, os planos de melhoria da qualidade do ar vão centrar-se nas cidades de maior dimensão, com mais população exposta, principalmente Lisboa e Porto.

A ENAR 2020 estabelece medidas de melhoria e de otimização dos sistemas existentes, a efetuar, nomeadamente, pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), CCDR e Direções Regionais do Ambiente das regiões autónomas.

Os setores da indústria, dos transportes e da agricultura, e o setor residencial e comercial foram identificados como os mais relevantes para a atuação de redução de emissões de poluentes atmosféricos.

O diploma define que a assunção de compromissos para a execução das medidas previstas na estratégia, que será revista em 2019, "depende da existência de fundos disponíveis por parte das entidades públicas competentes".

Diário Digital com Lusa

26-08-2016 às 18:19