6 de fevereiro de 2016

Idanha-a-Nova entra na rede de vilas e cidades da Música reconhecidas pela UNESCO


O ministro da Cultura mostrou, nesta sexta-feira, em Idanha-a-Nova o seu “orgulho” pelo reconhecimento “mais do que justo” da vila como Cidade da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas.
“Quero transmitir ao povo de Idanha-a-Nova o orgulho por esse reconhecimento mais do que justo”, afirmou João Soares, durante a sessão de boas-vindas, no salão nobre dos Paços do Concelho.
João Soares realçou o “trabalho de excelência” feito nos últimos anos pelo município de Idanha-a-Nova na afirmação dos valores culturais do concelho.
“Estou aqui com algum atraso, porque tinha dito ao presidente da Câmara que devia ter estado aqui imediatamente a seguir à consagração de Idanha-a-Nova. É a minha responsabilidade como ministro da Cultura”, disse, explicando que nesse dia não pôde estar presente devido a uma reunião do Conselho de Ministros.
Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, na Beira Baixa, foi oficialmente aceite, em dezembro, no grupo de Cidades da Música da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).
Em causa está uma rede de cidades nesta e noutras áreas artísticas com o objetivo de promover o desenvolvimento social, económico e cultural destas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.
Entre as entidades que apoiaram a candidatura de Idanha-a-Nova estiveram o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, na Alemanha, Bolonha, em Itália, Sevilha, em Espanha, e Hamamatsu, no Japão.