11 de agosto de 2017

Sociedade Filarmónica União Pedroguense



Foto de Sociedade Filarmónica União Pedroguense.

Historial

Perde-se no tempo a data da sua fundação. Segundo informações obtidas em 1863, era pároco em Pedrógão Grande, o Padre Albino Simões Dias, da Benfeita, tio do poeta José Simões Dias.
Nessa época, terminou a escola de Latim sediada na Rua Rica e fundou a Filarmónica Pedroguense.
Perde-se no tempo a data da sua fundação. Segundo informações obtidas em 1863, era pároco em Pedrógão Grande, o Padre Albino Simões Dias, da Benfeita, tio do poeta José Simões Dias.
Nessa época, terminou a escola de Latim sediada na Rua Rica e fundou a Filarmónica Pedroguense.
A Filarmónica Pedroguense actualmente envolve perto de 60 pessoas, sendo a sua Banda de Música constituída actualmente por cerca de 30 elementos distribuídos pelos diversos naipes, onde predomina maioritariamente a juventude.
A Escola de Música conta com cerca de 30 alunos com um corpo docente de 5 professores habilitados
O seu fardamento é constituído por boné, casaco e calça azul-escuro, camisa azul claro, gravata e platinas azuis com lira dourada.
O seu estandarte é de cor azul claro ostentando ao centro a lira dourada entre duas palmas, sobre a qual se insere na parte superior o Brasão da Vila de Pedrógão Grande, com a inscrição “FILARMÓNICA DE PEDRÓGÃO GRANDE”.
É uma Associação sem fins lucrativos, rege-se pelos seus Estatutos e Regulamento Interno e tem o dever de proporcionar o enriquecimento musical a todos os que querem aprender música.
Pela sua vasta carreira, apresentou diverso tipo de reportório, honrando e dignificando o bom nome da Vila de Pedrógão Grande por várias portas do país, nomeadamente nos festejos de diversos lugares, festejos religiosos do conselho como a festa de Nossa Senhora dos Milagres, Semana Santa, Senhor dos Passos e Páscoa, em datas memoráveis como o 25 de Abril e 24 de Julho (feriado municipal) e ainda em Lisboa com a participação no 3º Desfile Nacional pelo Movimento 1º Dezembro na Av. Da Liberdade.
Teve durante a sua existência vários regentes, tais como: Sanches e Sales em 1930, José Luís Conceição Dores em 1940, Luís Vale e Neto em 1954, José Medeiros, Afonso, João Gualberto, Raul Morais Franco, José Mendes Arriaga, Asdrubal Caetano, Diogo Santana, Viso Marques, o pedroguense José Roldão, José Antero e Vitor Feitor.
Desde Julho de 2014 tem como regente o Maestro Luis Casalinho.

timbrado classico 51YZ 2017